Instituto Trabalho Digno tem nova direção

Foi eleita no dia 4 de maio a nova direção do Instituto Trabalho Digno – ITD, composta de Diretoria, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, com um total de 30 integrantes.

O ITD é uma entidade nacional de caráter científico, sem fins lucrativos, que se dedica a estudos, pesquisas e outras iniciativas técnico-científicas sobre o mundo do trabalho. Embora tenha diversas ações com outros profissionais do chamado mundo do trabalho, a direção do Instituto é formada por auditores-fiscais do trabalho, alguns dos quais exercem também atividades de ensino e pesquisa em instituições de ensino universitário.

Luiz Scienza

O novo presidente do Instituto Trabalho Digno, Luiz Alfredo Scienza, é Engenheiro e Auditor-Fiscal do Trabalho – AFT desde 1983. Atua no Rio Grande do Sul, onde foi presidente da entidade estadual dos AFT, a Agitra. Tem especialização em Toxicologia Aplicada à Segurança do Trabalho (PUC-RS) e em Engenharia de Segurança do Trabalho (PUC-RS). Desde 1997, é Professor de Ensino Tecnológico da UFRGS. Foi Vice-Presidente do ITD na primeira gestão (2017-2020).

Simone Holmes

Quem assume a Vice-Presidência é Simone Holmes, médica e Auditora-Fiscal do Trabalho desde 1985. Atua no seu estado natal, Pernambuco, onde é Chefe do Setor de Segurança e Saúde do Trabalhador – SEGUR. Tem Mestrado em Saúde Coletiva (UFPE). Foi Conselheira do ITD na primeira gestão (2017-2020).

A nova direção do Instituto Trabalho Digno, formada por 11 diretores e 19 conselheiros, tem Direito como a graduação mais prevalente, pois, 16 dos dirigentes têm graduação jurídica, alguns dos quais com formação em outras áreas. Além disso, são 6 graduados em Medicina e 5 em Engenharia. Há ainda diretores e conselheiros com graduação em História (1), Química (1), Ciência Sociais (1), Ciências Contábeis (1) e Ciências Econômicas (1).

Entre os novos dirigentes, dois têm doutorado (nas áreas de Saúde Pública e de Engenharia de Produção) e 4 têm mestrado (nas áreas de Saúde Coletiva/Saúde Pública, Ciências Jurídicas e Sociais, e em Direito Ambiental). A especialização mais frequente (5) é em Direito e Processo do Trabalho, seguindo-se Engenharia de Segurança, Medicina do Trabalho, Direito Público, Gestão Pública e Direto Tributário.

Dolores Jardim, graduada em Direito, com especialização em Direito do Trabalho, tendo atuado como AFT em diversas áreas, em especial no combate ao trabalho escravo em Minas Gerais, é a nova Diretora Administrativa e Financeira, em substituição a Mário Diniz, que assume a Diretoria de Comunicação. Diniz também é advogado e tem especialização em Gestão Pública, tendo sido presidente do sindicato dos auditores da Bahia, o Safiteba, entidade que deu apoio essencial para a criação do ITD.

A Diretoria de Assessoramento Técnico e Social é agora comandada pelo médico e AFT Mário Parreiras de Faria, profissional bastante conhecido, principalmente, por sua atuação na área de Segurança e Saúde no Trabalho – SST em Mineração em todo o país e especialmente em Minas Gerais. É considerado o principal autor da NR-22, a norma de SST em mineração no Brasil.

Assume a Diretoria de Educação a médica Odete Reis, que tem especialização em Clínica Médica e em Medicina do Trabalho. Tem atuado no setor de teleatendimento e setor bancário, com auditorias e pesquisas relativas à organização do trabalho, assédio moral e adoecimento dos trabalhadores. É AFT em Minas Gerais.

O professor Sílvio Andrade, AFT aposentado, médico e também químico, exerce atividades de ensino universitário no Rio de Janeiro, e continuará sua atuação como Diretor de Pesquisas do Instituto, além de integrar a comissão editorial da revista Laborare, revista científica do Instituto.

A nova diretora de Planejamento do ITD é Valéria Félix, uma capixaba radicada no Maranhão, com formação em Ciência Econômicas e que, como AFT, tem atuado principalmente na inclusão de pessoas com deficiência no trabalho.

O professor Paulo Antônio Barros Oliveira, AFT aposentado, mas bastante ativo como professor universitário e ergonomista, continuará à frente da Diretoria de Relações Internacionais do Instituto, além de integrar a comissão editorial da revista Laborare.

Magno Riga deixou a diretoria de Assessoramento Técnico, agora assumida por Mário Parreiras, e passou a se dedicar à Diretoria de Políticas Públicas. Magno é graduado em Direito na USP e tem uma destacada atuação no combate ao trabalho escravo em todas as regiões do país.

Ana Mércia Vieira Fernandes é uma das mais novas associadas do Instituto e é a única da diretoria que não integrava a gestão anterior. Ela é a nova Diretora de Relações Institucionais, desafio muito importante em uma entidade que tem apenas três anos e pretende se firmar como espaço de diálogo técnico-científico no mundo do trabalho. Ana Mércia é engenheira com especialização em Segurança do Trabalho e atualmente é chefe do Setor de Saúde e Segurança do Trabalho na Paraíba.

A nova direção do Instituto Trabalho Digno tem ainda 19 outros diretores com atividades nos Conselhos Deliberativo e Fiscal. São eles:

Conselho Fiscal

  1. Alcedina Maria Barroso Leal (PE) – é engenheira civil.
  2. Otávio Kolowski Rodrigues (RS) – é graduado em Direito, com especialização em Direito Empresarial;
  3. Rafael Lopes de Castro (BA) – graduado em Direito, com especialização em Direito e Processo do Trabalho;
    Suplente: Alexandre Albernaz Bibiani (RJ) – graduado em Ciências Sociais com Mestrado em Ciências Jurídicas e Sociais;

Conselho Deliberativo

  1. Alexandre Albernaz Bibiani (RJ)
  2. Matheus Cardoso Ricardo (SC) – graduado em Direito, com especialização em Direito Tributário;
  3. Clóvis Antônio Tavares Emídio (RN) – engenheiro agrônomo, com especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho;
  4. Emerson Victor Hugo Costa de Sá (AM) – graduado em Direito, com Mestrado em Direito Ambiental;
  5. Fernanda Giannasi (SP) – engenheira civil, com especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho. É sócia emérita do Instituto.
  6. Isabella Silva Sibaldo de Assunção (SC) – graduada em Direito, com especialização em Direito Público;
  7. João Carlos Miranda Braga (RJ) – graduado em Direito, com especialização em Direito Processual do Trabalho;
  8. June Maria Passos Rezende (PR) – médica, com Doutorado em Saúde Pública;
  9. Juscelino Durgo dos Santos (RO) – graduado em Ciências Contábeis;
  10. Luciana Xavier Sans de Carvalho (SC) – graduada em Direito;
  11. Marcelo Gonçalves Campos (MG) – graduado em História e Direito;
  12. Maria Cristina Serrano Barbosa (PE) – graduada em Engenharia Química e Direito, com especialização em Direito e Processo do Trabalho. Cristina também integra a comissão editorial da Laborare.
  13. Marina Cunha Sampaio (SP) – graduada em  Ciências Jurídicas e Sociais;
  14. Otávio Kolowski Rodrigues (RS)
  15. Rafael Lopes de Castro (BA)
  16. Shakti Prates Borela (DF) – graduada em Direito;
  17. Tatiana Fernandes Rocha Lima (BA) – graduada em Direito;
  18. Valderez Maria Monte Rodrigues (MT) – graduada em Ciências Jurídicas. É sócia emérita do Instituto.
Alexandre Bibiani


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.