Fetquim/SP assume campanha pelo veto à Emenda Dow

#VetaRuiCosta! O amianto na Bahia não pode ser liberado para a Dow até 2026!

O lobby do amianto está mais vivo do que nunca. Prova disso é o retrocesso aprovado pela Assembleia Legislativa (AL-BA) no último dia 5 de dezembro permitindo à indústria do cloro-soda da Bahia, em particular a Dow Química, utilizar seus estoques de amianto até janeiro de 2026.

O amianto é uma fibra cancerígena assassina. E a Dow Química Brasil é a única do setor que ainda utiliza diafragma de amianto no processo de eletrólise da salmoura para obtenção do cloro, usado em grande escala na indústria do plástico e da soda cáustica.

Essa empresa, mesmo após a proibição pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 29/11/2017, mantém em estoque o mineral cancerígeno, o qual é manipulado e expõe os trabalhadores a risco de contaminação na fabricação do diafragma ou quando de sua manutenção ou substituição ao atingir a vida útil.

O sucesso ou não deste projeto que afronta o STF e fere de morte os trabalhadores da Dow está nas mãos do atual governador da Bahia, Rui Costa (PT), que pode escolher entre sancioná-lo ou não nos próximos dias. Por isso a Fetquim – Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico da CUT no Estado de São Paulo reforça a campanha #VetaRuiCosta!

É um retrocesso absurdo que a Assembleia da Bahia afronte o Supremo Tribunal Federal (STF), que em 29/11/2017 acabou com a possibilidade de extração, industrialização, comercialização, transporte e a utilização do amianto da variedade crisotila no país ao fixar em definitivo a declaração de inconstitucionalidade do artigo 2º da Lei federal 9.055/1995.

Contamos com a sensibilidade e bom senso de Rui Costa, que já foi petroleiro, diretor do Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia, entre 1984 e 2000, e diretor da Confederação Nacional dos Químicos, entre 1992 e 1998.

Integramos a campanha #VetaRuiCosta!

São Paulo, 18 de dezembro de 2017.

Fetquim – Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico da CUT no Estado de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.